Tags

, , , , , ,

# 4 mo~vi~mentos #

Publicado em Amazon – KindleEdition (Português) – 3.Junho.2013

Quarteto (em si) menor
Q-teto-blue-brown250# 1º mo~vi~mento #
A cegueira daqueles dias
Reminiscências: Filha de fazendeiro carrega resignada o conturbado destino da família e o próprio. A inesperada aparição de um fogoso cavaleiro transtorna sua vida. Órfã de mãe cedo demais, alguns anos depois perde também o pai. Morrem em acidente dois irmãos, ainda pequenos. O Caçula, ovelha negra do clã, vive longe, fora dali. O mais velho, farrista, jogador, prepotente, acaba vítima da mulher e da sogra. O mais querido, Percival, que para vingar-se eliminara o intruso cavaleiro, desaparece nas malhas da repressão policial-militar dos golpistas de abril de 64. A provável relação incestuosa entre ela e esse irmão de nome exótico, ou melhor literário, compõe o pano de fundo de uma típica história do meio rural brasileiro.

# 2º mo~vi~mento #
Natal nos trópicos
Diz-que Deus é brasileiro, não sei, nunca vi nem tentei comprovar. Maria da Conceição, José dos Prazeres, o Carapina, e o menino Jesus garanto que são. Conheci os três, faz muitos anos. O Carapina muito quieto, Maria da Conceição o contrário, falava pelos cotovelos e vivia inventando caso, e dessa “trindade tropical” o filho consta que ainda vive… andará obrando por aí.

# 3º mo~vi~mento #
Despedida
Andrômeda é nome de constelação boreal, princesa mítica e de uma belíssima ericácea. Olívia Andrômeda era um sonho de menina – estrela cadente em céu de outono. Olívia Andrômeda de Bom Jardim não quis dizer adeus, prometeu voltar e até hoje!… onde está? onde estará? Vivo à procura.

# 4º mo~vi~mento #
Tema e variações
monólogos em paralelo
O encontro de duas rodas girando em sentido contrário sobre trilhos paralelos, por vezes arqueados no tempo, ou por um intrincado sistema de carretilhas só poderia ser acidental… acidentado?
A roda-mestra [♂]e a roda-viva[♀] buscarão cada uma seu rumo e trajetória, cujo(s) lugar(es) e tempo(s) são como jogos de dados. Mas também pode não ser nada disso.
Qualquer semelhança com pessoas reais é cabível e aliás plenamente intencionada, podendo coincidir ou não com quem pareçam, se é que realmente parecem com alguém. Pessoalmente não o creio.
O jeito é lavar as mãos e sair de fininho.